Páginas

MENU

Menu Deslizante

PAI NOSSO

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU, SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME, VEM A NÓS O VOSSO REINO, SEJA FEITA A VOSSA VONTADE ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU. O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAÍ HOJE, PERDOAI-NOS AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO, NÃO NOS DEIXEI CAIR EM TENTAÇÃO MAS LIVRAI-NOS DO MAL. AMÉM.

sábado, 27 de julho de 2013

9° Aparição - A SERVA DO SENHOR TERÁ FALADO NUMA LÍNGUA QUE LHE É ESTRANGEIRA

Aparições de dozulé


Sexta-feira - 06 de Julho de 1973
19:00 hs - na capela

Madalena Aumont
Uma luz, depois Jesus apareceu-me, como da outra vez, em lugar do Tabernáculo, as mãos esticadas na minha direção para me acolher; o Seu olhar é maravilhosamente belo e o Seu sorriso é muito meigo. Tudo isto é muito difícil de descrever, de tal modo é belo.

Após alguns instantes, Jesus levanta o braço direito na minha direção e coloca a outra mão no Seu peito. Ele disse :

"Tenheis a bondade de repetir o seguinte" :

"Misit Dominus Manum Suam et dixit mihi : Spiritus Dominus docebit vos quaecumque dixero vobis."
(O Senhor estendeu a mão e disse : "O Espírito, o Senhor vos ensinará tudo aquilo que Eu vos terei dito.")

Seguidamente, com o Seu braço ainda erguido na minha direcção e a Sua mão esquerda no Seu peito, Ele disse-me :

"Ide dizer ao bispado todas as palavras que Eu vos ditei. E a serva do Senhor terá falado numa língua que lhe é estrangeira."

Não me recordando de nenhuma palavra em latim que o Senhor me tivesse dito desde o princípio, disse-lhe: 

"Mas, Senhor, eu já não me lembro." Ele disse-me :

"Recordai-vos da Minha Palavra : vós testemunhareis em virtude do Meu Nome e não tereis necessidade de vos esforçar para saber aquilo que tereis de dizer pois Eu estarei convosco."

Depois, Jesus desapareceu.

Por conseguinte, era preciso ir ter com o Monsenhor Bispo, e por muito que Jesus me tivesse garantido que nada tinha a temer, eu hesitava se havia de ir; e depois quando iria? Eu não sabia muito bem; no entanto, eu sabia perfeitamente que tinha de ir. Eu não podia ir sozinha; e depois, cabia ao Senhor Bispo decidir; eu não devo fazer nada por minha própria iniciativa.

Primeira Sexta-feira do mês de Agosto de 1973.

No momento em que eram 18 horas na pequena capela, diante do Santo Sacramento que foi exposto para essa primeira Sexta-feira do mês, o meu espírito encontrava-se numa grande paz e alegria.

Eu esperava impacientemente " Jesus ", este Jesus de Amor que se dignou visitar-me na última Sexta-feira. Que tesouro, que tamanha beleza meus olhos e meu espírito descobriram na Sua presença! Apenas durava alguns minutos de cada vez, mas quando esses minutos da presença de Jesus durarem uma eternidade, Oh! Como será agradável e maravilhosa essa eternidade nessa luz "esplêndida."

Mas chegaram as 19 horas, os segundos pareciam-me intermináveis. Esperei então até às 19h45 depois, cheguei à conclusão de que Jesus não iria vir; era tarde demais. O meu coração estava bastante triste, parecia-me que tudo se estava a desmoronar.

Deixei a pequena capela a chorar como uma criança.

Quando entrei em casa, os meus filhos perguntaram-me o que é que eu tinha. Não lhes respondi. Felizmente que o meu marido não estava em casa. Era a semana em que ele trabalhava de tarde, e só voltaria às 21h30.

Nessa mesma noite, não dormi quase nada. Eu interrogava-me acerca do que é que eu poderia ter feito ao Senhor para que Ele não me visitasse pois Ele tinha-me dito: "Todas as sextas-feiras, eu visitar-vos-ei "; e eu pensava para comigo mesma, que Ele não me tinha visitado, possivelmente por causa de um senhor, o qual durante a manhã tinha-me falado quase em voz alta diante do Santo Sacramento. Ele disse coisas que não deveria ter dito pois o que ele me disse estava isento de caridade - fiquei muito aflita por causa do Santo Sacramento que se encontrava mesmo ali diante de nós - e pensei que nesse preciso momento era necessário ter um grande recolhimento e um grande respeito face ao Santo Sacramento.

Pensei também que podia ser que eu não tivesse feito o que o Senhor me tinha pedido da última vez. Jesus tinha-me dito: " Ide dizer ao bispado todas as palavras que Eu vos ditei ", e isso não havia sido feito.

Na manhã do dia seguinte, fui ter com o Senhor Bispo, dizendo-lhe que queria ir dizer, o mais cedo possível ao bispado, tudo o que o Senhor me tinha dito ; era uma missão necessária que eu tinha de cumprir uma vez que o Senhor mo tinha pedido - e desejava lá ir o mais depressa possível, pois eu precisava de cumprir a vontade de Jesus.

Fui então com o Senhor Padre e a Irmã Bruno ver um membro do bispado, como mo tinha pedido Jesus.

Não me recordando ainda de nada do latim, garanto-vos que hesitava e eu perguntava-me o que é que eu iria dizer-lhe peço até hoje perdão ao Senhor por ter hesitado, já que Ele me tinha dito: " Eu estarei convosco."

De facto, Jesus estava mesmo comigo.

De repente, lembrei-me de todas as palavras em latim que Jesus me tinha ditado desde o princípio; o Espírito Santo guiava-me ; foi Ele que me fez recordar tudo.

Eu estava muito emocionada e surpreendida por ver como, assim tão de repente, eu pude dizer todas essas palavras desconhecidas. Não tive qualquer instrução e vós penseis que o latim me é completamente estrangeiro.

Não sei se o Espírito Santo o quis, mas quando entrei para o carro ao sair do bispado, contei à Irmã Bruno e ao Senhor Padre, todas as palavras estrangeiras que o Senhor me tinha dito desde o início.

Foi o Espírito Santo que me fez relembrar tudo.

Sem Ele, eu não teria sido capaz de dizer uma só palavra. E sei que o Senhor Padre e a Irmã Bruno ficaram emocionados ao ouvirem-me.

Vindo de Bayeux, eu sentia-me em grande paz.

Sentia-me sobretudo muito feliz por ter cumprido o que Jesus me tinha pedido e agradecia ao Espírito Santo, na vinda, por me ter feito recordar de tudo.
Sem Vós, Espírito Santo, nada existe, nada é possível, somos apenas trevas. Mas quando nós Vos possuímos, tudo é alegria, tudo é amor, tudo é possível.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

ROSÁRIO DO ESPIRITO SANTOS (Beata Elena Guerra)


Início: Vinde ó Deus em meu auxílio. Socorrei-me sem demora. – Gloria ao Pai… Como era no princípio…Amém.
Em cada mistério: Pede-se um Dom do Espírito, repete-se 7 vezes: – Pai santo, no nome de Jesus, manda o Teu Espírito para renovar o mundo!
Conclui-se com: Ó Maria, que por obra do Espírito santo, concebestes o Salvador, roga por nós!
1. Vem, ó Espírito de Sabedoria, desapega-nos das coisas da terra e infunde em nós o amor e o gosto pelas coisas do céu. - Pai Santo...
2. Vem, ó Espírito de Inteligência, ilumina a nossa mente com a luz da Tua Eterna verdade e a enriquece de santos pensamentos. - Pai Santo...
3. Vem, ó Espírito de Conselho, faz-nos dóceis as tuas inspirações e guia-nos na via da salvação. – Pai Santo...
4. Vem, ó Espírito de Fortaleza, e dá-nos a força, constância e vitória nas batalhas contra nossos inimigos espirituais. - Pai Santo...
5. Vem, ó Espírito de Ciência, seja o mestre de nossas almas e ajuda-nos a colocar em prática os seus ensinamentos. - Pai Santo...
6. Vem, ó Espírito de Piedade, vem habitar nos nossos corações para possuir e santificar todos os nossos afetos. - Pai Santo...
7. Vem, ó Espírito de Santo Temor de Deus, reina sobre a nossa vontade e faz que sejamos sempre dispostos a sofrer todos os male, antes que pecar. Pai Santo...
Invocação a Maria
Ó puríssima virgem Maria, que em tua imaculada conceição, foste constituída pelo Espírito Santo em tabernáculo eleito da Divindade. Roga por nós:
R.: Para que o Paráclito venha logo a renovar a face da terra. Ave Maria...
Ó puríssima virgem Maria, que no mistério da encarnação foste constituída verdadeiramente Mãe de Deus. Roga por nós:
R.: Para que o Paráclito... Ave Maria...
Ó puríssima virgem Maria que perseverando em oração no cenáculo com os apóstolos, foste Abundantemente inflamada pelo Espírito Santo. Roga por nós:
R.: Para que o Paráclito... Ave Maria...
Oração final
Venha sobre nós o teu Espírito, Senhor, transforme-nos interiormente com seus dons: criai em nós um novo coração, para que, possamos agradar-te e conformar-nos à tua santa vontade. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

8° Aparição - FAZER ERGUER A CRUZ GLORIOSA E O SANTUÁRIO DA RECONCILIAÇÃO

Aparição de Dozulé

Terça-feira - 12 de Junho de 1973
19:00 hs - na capela

Madalena Aumont
Eu estava com as irmãs do internato Saint-Joseph e com o Senhor Padre na capela, nós tínhamos acabado de concluir o rosário e as vésperas; de repente, eu senti um vento a roçar-me no rosto; eu pensava que a porta pudesse ter-se aberto e que tal facto fazia corrente de ar com a pequena janela, mas não era nada. Fui então ter com o Senho Padre que estava à minha frente na sua cadeira; perguntei-lhe se ele tinha sentido um vento pois isso tinha-me parecido pouco normal. Ele respondeu-me que não, mas de repente, surge um clarão no lugar do Tabernáculo, e nesse preciso momento, Jesus aparece como da primeira vez que eu O tinha visto, as mãos esticadas na minha direção como se fosse para acolher-me. Era maravilhosamente belo; esta luz era repleta de beleza.

Jesus disse-me:

"Tenheis a bondade de aproximar-vos até aqui."

Aproximei-me então pertinho. Jesus disse-me :

"Dizei o seguinte em voz alta":

"Eu sou o Primeiro e o Último e o Vivente, e Tudo aquilo que vos foi dado:
Eu sou o Amor, a Paz, a Alegria, a Ressurreição e a Vida.

Beijai as pessoas aqui presentes por amor e por caridade ao próximo."
Beijai então as pessoas presentes.

"Tenheis a bondade de repetir o seguinte":

"Attendite, quod in aure auditis, praedicate super tecta. Per te Magdalena civitas Dozulea decorabitur per Sanctam Crucem. Et aedificet Sanctuarium Domino in monte ejus. Terribilis est locus iste." 

(Atenção ! aquilo que vós escutais ao ouvido, proclamai-o por toda a parte. Através de vós, Madeleine, a cidade de Dozulé será ornamentada pela Santa Cruz, e que ela edifique um Santuário ao Senhor na Sua montanha . Que lugar temível !) (3)

"Beijai a terra três vezes por penitência para a Iniquidade."

Quando ergui a cabeça, Jesus parecia muito triste, Ele olhou demoradamente para as três pessoas presentes e disse-me:

"Dizei o que se segue em voz alta às pessoas que dizem o rosário convosco" :

"Apressai-vos a anunciar ao mundo o que vós vistes e ouvistes em Meu Nome. Dai ordem ao bispado para anunciar a Minha Lei, com o intuito de erguer a Cruz Gloriosa e o Santuário da Reconciliação no local exacto onde Madeleine a viu por seis vezes, e ide lá todos em procissão."

Seguidamente, Jesus levantou os braços, com as mãos viradas para mim, e disse:

"No momento em que esta Cruz será erguida de terra, Eu atrairei tudo a mim."

Quando Jesus disse aquilo, o Seu olhar estava longínquo, quase que elevado ao céu.

Depois, Ele pôs de novo os Seus braços e as Suas mãos na minha direcção como se fosse para acolher-me e disse-me:

"Tenheis a bondade de vir aqui cada primeira Sexta-feira do mês, Eu visitar-vos-ei até à elevação da Cruz Gloriosa."

Depois desapareceu.

(3)- "Ela" significa a Cidade, segundo Madeleine Aumont.

terça-feira, 23 de julho de 2013

AVE MARIA...



Ser de santidade
Flor de imortalidade
A tua chama de consagração é venerada
Ó Maria, santificado seja o teu nome
A tua alma é uma sinfonia santa e pura para o Cristo no homem.

Ó Pai, abençoa-a pela sua grande fé em Ti
Aumenta o seu santo manto de luz
Inspira o grande e magnífico conceito
A imagem amorosa, tão meiga e suave
Nascida da Divindade.

Santa Madona
Pura de alma e mente
Nós nos inclinamos perante a Luz que trouxeste ao mundo
Ó Cristo que entra em cada coração para elevar
Todos ao amor, a meta da mestria pessoal—
À senda de grande valor.

Querida Maria, nós invocamos os teus abençoados raios
De poder curador que fluem do teu coração
Ó Rafael, consagra o nosso caminho
E ajuda-nos a conceder graça cósmica
Luz, ensina-nos tudo o que és!

Abençoada Rainha dos Céus
Quão grande és!
Instrui e abençoa nossa juventude e nossos filhos
Envolve-os com a tua Presença agora
Restaura a memória dos seus votos sagrados, feitos nos planos internos.

Ó Mãe do Mundo, nós somos as tuas chamas
Clamamos pelo nosso sagrado e divino desígnio
Alegrem-se, alegrem-se, ó poderes celestes
Pois a Terra procura-vos, a Estrela Divina é a nossa meta
Vitória em nome de Deus.


domingo, 21 de julho de 2013

7° Aparição - NÃO TENHAIS MEDO, EU SOU JESUS DE NAZARÉ,O FILHO DO HOMEM RESSUSCITADO

Aparições de Dozulé

Quarta-feira - 27 de Dezembro de 1972 (2)
19:00 hs - São João - o apóstolo

Madalena Aumont:

Faltava-me, portanto, ver a Cruz mais uma vez; eu estava impaciente para que chegasse a semana do dia 1 de Janeiro, altura em que o meu marido partiria às 4h 30 da manhã, para colocar-me novamente com os braços em cruz, e esperar por uma possível última aparição.

Fui visitar o Senhor Padre na Quarta-feira à noite. A diretora do internato Saint-Joseph, a Irmã B., tinha-me pedido para preparar a igreja para um casamento, o qual iria realizar-se no próximo Sábado.

Portanto, na Quarta-feira do dia 27 à noite, fui ter com o Senhor Padre à sacristia, eram 7 horas em ponto. Esperava-o em frente da porta da sacristia, enquanto ele trancava a porta à chave.

Nesse preciso momento, a Cruz apareceu-me à minha frente, como de costume, parecendo mais alta no céu, mas na realidade mais pequena e não no sítio de sempre. Após alguns segundos, aos pés da Cruz, formou-se uma nuvem oval que lhe servia de pedestal. A Cruz desapareceu. Uma forma humana tomou o seu lugar, cujos pés estavam pousados nessa mesma nuvem.

Nunca tinha visto algo tão belo, a sua cabeça estava inclinada, e as suas mãos esticadas na minha direcção como se fosse para acolher-me.
Foi então que eu ouvi uma voz muito suave que me dizia:

"Não tenheis medo, Eu sou Jesus de Nazaré o Filho do Homem ressuscitado."

Após alguns segundos, esta mesma voz disse-me:

"Tenheis a bondade de repetir o seguinte : O Sorte Nupta Prospera Magdalena ! Annuntiate virtutes ejus qui vos de tenebris in admirabile Lumen Suum vocavit." (O alegria, Madeleine, feliz esposa! Anunciai as maravilhas Daquele que vos chamou das trevas à Sua admirável Luz.)
Pude ainda admirar durante alguns momentos esta maravilha depois, tudo desapareceu repentinamente.

Pareceu-me que me encontrava nas trevas.

Se vós soubessem o quanto o meu coração está cheio de amor a Jesus visto Ele ter-se dignado visitar-me; a mim, uma pobre criatura indigna. Até ao meu último dia sobre a terra, eu permanecerei deslumbrada por esta maravilhosa visão, por esta presença de Jesus nesta noite do dia 27 de Dezembro.

Resta-me apenas um desejo: revê-Lo, rever Jesus de Nazaré, o Filho do Homem ressuscitado. Ter-me-ia sido menos penoso morrer naquele momento. Ele tinha as mãos abertas como se fosse para acolher-me, mas isso durou tão pouco tempo.

Desejei que tudo tivesse parado, que o tempo tivesse parado, que não existisse mais tempo, para que toda a gente pudesse tê-Lo visto, para que toda a humanidade pudesse tê-Lo visto como eu O vi.
Eu queria poder contemplá-Lo para todo o sempre no Seu esplendor, contemplar esta luz maravilhosa, este Jesus de amor cheio de doçura, de bondade, resplandecente de luz.

Tudo é tão maravilhoso, tão grande que eu não consigo exprimir o que senti até às extremidades do meu corpo, do meu espírito. Em todo o meu ser sinto Jesus, cheio de amor, de doçura, de luz.

Que maravilhosa beleza, que luz tão límpida, que tesouro, que tamanha grandeza viram os meus olhos nessa noite de 27 de Dezembro. Que alegria, que prazer teríamos se pudéssemos contemplar:

"Jesus por uma Eternidade".

Se o mundo soubesse, se o mundo tivesse sabido, se o mundo visse. E o mundo verá um dia não muito longínquo.. E nesse dia, toda a face da terra encontrar-se-á num deslumbramento total ao ver:

"Jesus de Nazaré, o Filho do Homem"

resplandecente de luz, como eu O vi com os meus próprios olhos, vir sobre uma nuvem, em toda a Sua grandeza. Sim, toda a gente O verá, tendo por isso chegado a altura de vos converter.

É tempo de erguer a cabeça. Vós podereis ainda ser salvos.

Jesus é amor, Jesus é bom, Ele perdoa.

Arrependei-vos do fundo do coração, fazei uma pequena oração, Jesus ficará feliz.

Repareis Nele e vereis que vós sereis muito feliz, o vosso espírito atingirá uma alegria extrema, uma alegria que não conseguireis definir, pois essa alegria espiritual é mais bela do que todas as alegrias materiais.

Sobre esta terra nunca acharemos a felicidade perfeita. É quando pensamos que a alcançamos que tudo se desmorona.

Mas a felicidade espiritual que conhecemos na pessoa de Jesus, essa mesma felicidade, quando a possuímos de verdade é inesgotável.
O meu Jesus, como Vós sois resplandecente de beleza nesta luz maravilhosa; como Vós sois bom, Vós sois amor, como as Suas palavras são suaves, nunca ninguém me falou tão suavemente.

A luz e as palavras de Jesus são incomparáveis de doçura e de beleza.
Toda a minha vida, eu proclamarei esta maravilha na qual é preciso viver sem trégua de manhã à noite, da noite até manhã; desde o meu acordar que Jesus está comigo, em mim.

É preciso viver sempre com Jesus, como uma chama interior que não se apaga nunca.

O meu Jesus, é tão agradável viver sem tréguas Convosco, em Vós.
Que tamanha alegria Vós dais àqueles que Vos amam.

Não penseis de maneira alguma que eu seja privilegiado de Deus.
Deus ama todas as Suas criaturas.

Foi Ele que nos deu a Vida.

Sem o sopro de Deus, nós não seríamos nada, existiria apenas o nada.
Mas o Espírito Santo está presente o qual reanima-nos, ama-nos. Deus ama todas as Suas criaturas, sem excepção.

Deus chama-nos a todos, mas poucos O ouvem.

Reflitam, retirai-vos um pouco na solidão.

Admirai então esta natureza, estas flores, este perfume, o orvalho da manhã, e dizei -vos muito bem que tudo isto não se fez sozinho.
Tudo o que cresce, tudo o que ganha forma, tudo aquilo que vive, é o sopro de Deus.

A natureza é um milagre constante do Criador, mas nós não ligamos a isso pois já nos habituamos.

É quando estamos sós que encontramos a presença de Jesus, quando nos retiramos, quando admiramos esta natureza, a maravilha da Criação.
É nisto tudo que podemos encontrar o Criador, Deus, Jesus, o Espírito Santo, o Rosto de Cristo.

Quando uma alma vê um raio da Luz de Deus, ela deseja morrer para poder vê-La eternamente.

Eu pude ainda admirar esta Maravilha durante alguns instantes, mas tudo isto desapareceu repentinamente.

(2) No dia 27 de Dezembro de 1673, 299 anos antes, Jesus apareceu em Paray le Monial.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

O CÉU E O INFERNO

O Céu: o lar é onde está o Pai

Naquele trecho maravilhosamente confortante em João 14:1-3, Jesus tenta acalmar a angústia de seus discípulos que o anúncio de que ele iria aonde eles não poderiam seguir havia causado (João 13:33-37). Suas advertências sobre traição os teriam mistificados e confundidos, até magoados. Eles compreendem pouco do que ele está falando, mas o que tem causado um estremecimento em suas almas é a notícia de que ele iria aonde eles não poderiam ir. A ideia da perda de sua presença os amedrontavam e os derrotavam.

Jesus garante aos discípulos que a sua partida não é um abandono, mas sim por consideração a eles- para que ele pudesse ir preparar um lugar para eles com o seu Pai. Eles estariam separados por um tempo, disse ele, para então estarem juntos para sempre.

Alguns pensam que Jesus está falando da igreja, da área de uma nova relação com Deus através da morte redentora do Filho (1 Timóteo 3:15; Hebreus 3:6). E a ideia de que o lugar que Jesus promete preparar para os seus discípulos começa nesta vida, não é sem mérito. No contexto desta mesma conversa Jesus mais tarde disse: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada" (João 14:23). Mas a morada com que Jesus consola os seus discípulos em 14:1-3 pareceria necessariamente incluir o transcendente e final. Como tem observado Leon Morris, "Muito atraente é a sugestão de Milligan e Moulton, que 'a casa do meu Pai' inclui a terra assim como o céu, de modo que onde quer que nos encontramos estamos naquela casa. Mas por este ponto de vista não é fácil entender porque Jesus deveria 'ir' a fim de nos preparar um lugar" (Evangelho de João, p. 638).

A questão sobre o céu que vem à tona nesta experiência de Jesus com seus discípulos é que não é tanto um mero lugar, quanto um relacionamento que tem alcançado na sua máxima intimidade e proximidade, um lugar com Deus e o seu Filho. Como se tem apropriadamente observado, "Não é no céu que encontramos Deus, mas em Deus que encontramos o céu". Não é nos nossos arredores que o céu se encontra mas em Deus. É verdade que João nas suas visões vê uma cidade com ruas de ouro, paredes de jaspe e portas de pérola (Apocalipse 21), mas aquela cidade representa muito mais a glória do povo redimido de Deus do que as circunstâncias em que eles deverão viver, e é afinal de contas apenas a figura da verdadeira coisa (veja Apocalipse 19:8, 2:2 e Hebreus 12:22-24).

É triste ver cristãos que pensam no céu simplesmente como um lugar maravilhoso onde não haverá mais sofrimento, mágoa ou morte. Tudo isso sobre o céu é verdadeiro, mas a estreitura do foco nos faz lembrar de uma noiva que se gaba sem parar da mobília magnífica do novo lar sem dizer nem uma palavra sobre o futuro marido. Aqueles que entre nós foram casados por algum tempo qualquer sabem que o lar é aonde está a amada, e apenas esse fato ilumina qualquer lugar com alegria. Nunca se foi o lugar, mas sim pessoas, que nos trazem contentamento e satisfação, e a última expressão dessa verdade é que paraíso é estar onde Deus e Cristo estão. Eles são totalmente suficientes para iluminar o lugar com glória (Apocalipse 21:23). Não é o objetivo de Deus que seu povo deveria conhecer o amor ilimitado de Cristo e ficar tomado de toda a plenitude de Deus? (Efésios 3:19). E poderia estar faltando qualquer coisa a esses que vivem na intimidade perfeita com aquele que é "corporalmente, toda a plenitude da Divindade" (Colossenses 2:9-10), e a "plenitude daquele que a tudo enche em todas as cousas" (Efésios 1:23)? Nós talvez deveríamos passar mais tempo aprendendo sobre Jesus e vivendo próximo a ele, do que contemplando todas as maravilhosas acomodações celestiais. Eu tenho a distinta impressão de que Deus não estará convidando pessoas totalmente desconhecidas para viverem com ele em sua casa. "Mas qual espécie de corpo iremos possuir?" pergunta um, e "iremos reconhecer um ao outro no céu?" indaga outro. Eu não estou condenando curiosidade, mas aqueles que estão seriamente preocupados com tais coisas têm falta de confiança no poder daquele "que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos" (Efésios 3:20). Por mim mesmo, estou inteiramente satisfeito em deixar os planos e acomodações nas mãos de Deus. Francamente, não estou tão certo de que iremos prestar qualquer atenção aonde é que estamos pela alegria de estarmos com nosso Pai e o Filho que nos trouxe a ele, sem mencionar todas aquelas pessoas maravilhosas que o têm amado da mesma maneira que nós.

O Inferno: o último vácuo

Sobre o inferno C. S. Lewis uma vez escreveu: "Não há nenhuma doutrina que eu removeria de mais bom grado do cristianismo do que isto, se eu tivesse o poder. Mas essa doutrina tem o pleno apoio das Escrituras, e sobretudo das próprias palavras do nosso Senhor."

Lewis não está sozinho no seu temor da verdadeira ideia do inferno. É um assunto que pode causar um calafrio de horror em qualquer coração. Mas a verdade é que o inferno não é um acréscimo arbitrário. Ele é essencial ao céu e à própria existência de um Deus justo.

Não pode haver um paraíso sem um inferno, não somente porque o evangelho fala de ambos, mas porque se não há um inferno todos os caminhos conduzem ao mesmo local. E se todos os caminhos conduzem ao mesmo local, não faz diferença qual caminho você toma, e bondade e maldade cessam de existir. A presença de um Deus justo num tal mundo seria inconcebível!

O inferno faz uma diferença infinita. A altura da montanha é medida pela profundidade do vale. É o inferno que faz o paraíso. A grandeza da salvação é vista em oposição ao horror da condenação. É exatamente o inferno que tememos, que fala de um Deus moral, que rege num mundo moral onde bondade e maldade diferenciam-se, ambos em caráter e em consequência. O céu e o inferno não podem ser separados. Como Lewis também uma vez observou, "Eu não tenho conhecido ninguém que houvesse completamente descrito sobre o Inferno e que tivesse também uma convicção viva e vivificante sobre o Céu". No evangelho de Cristo o conceito do inferno é inevitável.

A palavra grega traduzida por nossa palavra inferno é gehenna. Ela é derivada do Vale de Hinom ao sudoeste de Jerusalém, onde crianças eram sacrificadas nos fogos do deus Moloque durante o reino dividido (2 Crônicas 28:3; 33:6) e foi por essa razão profanado por Josias a fim de terminar o costume (2 Reis 23:20). Jeremias o chamou de Vale da Matança por causa dos cadáveres que em breve ali seriam amontoados pela arremetida babilônica (Jeremias 7:32; 19:6). O vale tornou-se uma metáfora para morte, corrupção e incêndio.

Há várias razões para acreditar na existência do inferno, mas nenhuma tão convincente como a que Jesus mesmo disse. Das onze vezes que gehenna aparece no Novo Testamento, todas, exceto uma, vêm da boca do Senhor (Tiago 3:6). É Jesus que em todo o Novo Testamento pinta a figura mais gráfica do julgamento dos condenados, advertindo aos seus ouvintes severamente de tal destino (Mateus 5:22,29; 10:28; 23:15,33; Marcos 9:45-48; Lucas 12:5). Ele pinta o inferno como uma fornalha de fogo eterno e um processo interminável de corrupção (Mateus 25:41; Marcos 9:48). São trevas enchidas de um choro angustiante, um lugar de castigo eterno (Mateus 8:12; 25:46).

Este fogo, estas trevas, devem ser subentendidos literalmente? Talvez não, pois o diabo e os seus anjos que não possuem corpos materiais deverão sofrer a mesma sorte. Mas não há qualquer consolo nisso. Linguagem figurada é usada quando palavras comuns falham. A realidade do inferno será muito pior do que as figuras sugerem. O inferno é o lugar onde Deus não está, e poucos de nós têm seriamente contemplado como seria a absoluta ausência de Deus.

O inferno, em última análise, não é algo que Deus tenha acrescentado ao destino dos incrédulos, mas sim a consequência natural das escolhas que eles têm feito. Há afinal somente duas espécies de pessoas: aquelas que dizem a Deus, faça-se a tua vontade, e aquelas a quem Deus diz, no final, faça-se a tua vontade. Todos os que irão para o inferno ali estarão porque escolheram contra a vontade e a misericórdia de Deus. E o que têm escolhido?

Eles têm escolhido afastar-se de Deus e de todas as suas qualidades. Isso significa que desde que Deus como Criador tem dado à vida o seu propósito e sentido, a vida no inferno será eternamente sem sentido e inútil. Será uma terra cinzenta e desesperada, destruída de esperança e sonhos.

E porque Deus é amor (1 João 4:8), o inferno será um lugar onde não haverá amor. Nele estará a miséria empilhada de todo o ódio, malícia, inveja e ciúmes que jamais houve. Não haverá nenhuma compaixão, nenhuma meiguice, nenhuma atenção, nenhuma preocupação desinteressada por outros; somente o choro ininterrupto de egoísmo.

E porque Deus é luz (1 João 1:5-6), o inferno será verdadeiramente um lugar de "trevas" -- ininterruptas e absolutas. Não trevas literais, físicas, mas as trevas da maldade, perversão e impiedade. O inferno será um lugar do qual toda a bondade terá sido expurgada. E lá não haverá, como aqui tem havido para os desobedientes e incrédulos, a luz refletida da bondade e justiça de outros. Serão trevas totais!

E é assim, que os que vão ao inferno terão recebido exatamente o que desejavam, que é ter posto Deus fora de suas vidas. Não haverão mais apelos divinos para mudar de rumo, não mais apelos para voltar à casa, somente o silêncio vazio de um mundo passado, negro e morto.

Paul Earnhart

quarta-feira, 17 de julho de 2013

6° Aparição - ACHAI TRÊS PESSOAS E JUNTOS DECLAMAI O ROSÁRIO PARA A ELEVAÇÃO DA CRUZ GLORIOSA AQUI, NO LIMITE DO TERRITÓRIO DE DOZULÉ

Aparições de Dozulé

Quinta-feira - 21 de Dezembro de 1972
4:35 hs da manhã - Haute Butte

Madalena Aumont:

Terceiro dia de seguida que a Cruz me aparece, no mesmo local, à mesma hora, da mesma forma. Enquanto eu estava, como nas vezes anteriores, com os braços em cruz, ouvi uma voz suave, a qual parecia estar mesmo ao meu lado:

"Tereis-vós a bondade de dizer ao bispado que o padre não deve abandonar a sua paróquia antes do cumprimento da tarefa que lhe foi pedida."


"Achai três pessoas e juntos declamai o rosário para a elevação da Cruz Gloriosa, aqui, na divisa de Dozulé".

terça-feira, 16 de julho de 2013

DEUS TRANSFORMA OSSOS SECOS EM EXÉRCITOS


O amor e o poder de Deus são infindáveis. Não é possível medir o tamanho do amor de Deus pelos homens, independentemente de suas atitudes. E, da mesma forma, é impressionante a amplitude do poder de Deus, que transforma a maldição em bênção, a derrota em vitória, os ossos secos em um numeroso exército.

A fé vem por ouvir a Palavra de Deus (Romanos 10:17), por isso devemos lê-la para não esquecermos do que Ele já fez em toda a história.

No tempo do profeta Ezequiel, o povo de Israel, por causa de sua desobediência a Deus, foi levado cativo à Babilônia. O povo de Israel decidiu adorar falsos deuses e rejeitou o Deus Verdadeiro, portanto a consequência foi a invasão de Nabucodonosor e a assolação da nação. Mesmo assim, Deus enviou o profeta Ezequiel para profetizar aos exilados na Babilônia para que se arrependessem e se voltassem para Deus.

Semelhante à situação de Israel na Babilônia, muitas pessoas se desviaram da verdade e encontram-se envolvidas pelo pecado sentindo-se incapazes de retornar aos caminhos do Senhor, mesmo sabendo que essa é a única solução para suas vidas. Existem ainda outras pessoas que esfriaram na fé e tornaram-se incrédulas quanto ao poder e ao amor infindável de Deus. Deus deseja restaurar essas pessoas assim como restaurou o povo de Israel exilado na Babilônia.

Os israelitas diziam a Ezequiel, profeta enviado por Deus: "Visto que as nossas prevaricações e os nossos pecados estão sobre nós, e nós desfalecemos neles, como, pois, viveremos?" (Ezequiel 33:10). 

Mas, o Senhor com seu infinito amor mandou Ezequiel dizer ao povo: "Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do perverso, mas em que o perverso se converta do seu caminho e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois por que haveis de morrer, ó casa de Israel?" (Ezequiel 33:11). Para haver restauração, é necessário haver antes o arrependimento.

Os israelitas exilados na Babilônia eram como restos mortais após uma grande batalha, eram como um vale de ossos secos. Então, Deus deu uma visão a Ezequiel de um grande vale de ossos secos e mandou que ele profetizasse sobre aquele vale, porque Deus transformaria os ossos secos em um grande exército (Ezequiel 37:1-6).

Assim, Ezequiel profetizou segundo a ordem de Deus e viu os tendões e a carne dos corpos serem restaurados; profetizou ainda para que o Espírito do Senhor entrasse neles e foi formado um numeroso exército (Ezequiel 37:7-14).

Não importa a causa da sequidão em sua vida e não importa o quanto você tenha se envolvido com o pecado, o importante é que você saiba que Deus nunca deixou de amá-lo e deseja restaurar toda a sua vida, retirando toda a sequidão e transformando-o(a) em um valoroso homem (ou uma valorosa mulher) integrante do exército de Deus e cheio(a) do Espírito Santo. Arrependa-se e volte-se a Deus!

segunda-feira, 15 de julho de 2013

5° Aparição - DIZEI AO PADRE QUE A CRUZ GLORIOSA, ERGUIDA NESTE LOCAL, SEJA COMPARÁVEL A JERUSALÉM

Aparições de dozulé


Quarta-feira - 20 de Dezembro de 1972
4:35 hs da manhã - Haute Butte

Madalena Aumont:
Como na véspera, eu vi a cruz do mesmo modo que das vezes anteriores, à mesma hora, no mesmo sítio, e ouvi de novo:

"Dizei ao padre que a Cruz Gloriosa, erguida neste local, seja comparável a Jerusalém."

domingo, 14 de julho de 2013

DEUS ESTÁ AGINDO, VOCÊ QUE NÃO ESTÁ VENDO


Aquilo que algumas pessoas chamam de "evolução da sociedade" tem feito com que vivamos todos os dias como maratonistas do tempo. Corremos, corremos e corremos, e esse "estilo de vida" tem prejudicado aquilo que nós chamamos de vida.

A expressão "correria do dia-a-dia" já é um sinônimo para vida diária ou cotidiano. Essa "correria" só intensifica o desafio de não vivermos ansiosamente, mas sim descansarmos no Senhor.

Em um ritmo frenético, muitas vezes não percebemos o intenso e maravilhoso trabalho de Deus em nossas vidas e culpamo-Lo por ter nos abandonado, porque achamos que Ele nos abandona (mesmo que saibamos que Ele nunca nos abandona e nunca se esquece nós - Isaías 49:15).

Deus age em todo tempo em favor daqueles que nEle esperam (Isaías 64:4). Podemos não ver ou saber como Deus está agindo, mas podemos escolher confiar nEle.

Vamos à história do povo de Israel! O povo de Israel havia se multiplicado no Egito e era escravizado pelo faraó. O trabalho era intensificado continuamente para oprimir o povo, que clamava pelo socorro de Deus. Provavelmente, muitos israelitas acreditavam que nunca sairiam daquela situação de opressão e escravidão. A vida não era fácil na produção de tijolos debaixo do sol escaldante.

Mesmo assim muitos israelitas já tinham se conformado com a mentalidade de escravos, o que é possível afirmar porque muitos continuavam pensando como escravos quando andavam a caminho da terra prometida por Deus. 

O faraó estava disposto a não permitir que o povo crescesse, mas Deus, o Todo-Poderoso, sempre esteve disposto a cumprir a promessa feita a Abraão.

Há 350 anos que o povo era escravo no Egito. Então, nasceu um menino chamado Moisés, filho de hebreus criado por egípcios. Ele passou 40 anos no Egito até matar um egípcio por ter ferido um hebreu (Atos dos Apóstolos 7:23-24). A partir daí, foi peregrinar na terra de Midiã. Lá, Deus se apresentou a Ele e chamou-o para liderar a libertação do povo de Israel do Egito. Moisés viveu 40 anos em Midiã (Atos dos Apóstolos 7:30).

Para os israelitas escravizados, não havia nenhum sinal da manifestação da glória de Deus e do cumprimento de Sua promessa, eles não sabiam que Moisés seria o líder do êxodo, nem sabiam que o Deus de Abraão, Isaque e Jacó havia se revelado a ele. Alguns poderiam pensar até que Moisés havia morrido. Deus estava agindo, mas o povo não estava vendo.

Contudo, mesmo no nosso desespero e na nossa incredulidade, Deus é fiel. Ele nunca nos abandona e foi assim com o povo de Israel. Ele enviou Moisés e manifestou o Seu poder para retirar o povo da escravidão e levá-lo à terra prometida a Abraão.

Deus está agindo na sua vida porque Ele ama você e tem prazer em abençoá-lo. Não é possível ver com olhos naturais como Deus está agindo, mas é possível ver com olhos da fé. Saiba que crer em Deus é viver sem sofrer.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

A VOLTA DE JESUS



A Bíblia ensina que Jesus voltará. Esta volta deveria interessar a todas as pessoas. Quando Jesus voltará? E como? E o que acontecerá, quando Cristo voltar? Estas perguntas têm respostas simples na Bíblia, mas tornaram-se complicadas e confusas por causa do acréscimo de especulações e doutrinas humanas. Este livreto, primeiro, examinará o que a Bíblia claramente ensina e depois mostrará as falhas das teorias humanas mais ensinadas.
Quando?
"Mas a respeito daquele dia e hora, ninguém sabe nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai. Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem" (Mateus 24:36-39). "Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai" (Marcos 13:32). "Irmãos, relativamente aos tempos e às épocas, não há necessidade de que eu vos escreva; pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão" (1 Tessalonicenses 5:1-3). Ninguém sabe quando Cristo voltará. O próprio Cristo não sabia. Sabemos somente que ele voltará inesperadamente, sem aviso. Quem quer que se proponha a marcar uma data para a volta do Senhor pensa que sabe algo que nem Jesus, nem os anjos sabiam.
Sempre temos que permanecer preparados para a volta do Senhor. "Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa. Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do homem virá" (Mateus 24:42-44). Desde que nunca sabemos quando o ladrão pode chegar, temos que manter nossas casas sempre fechadas. Desde que não sabemos quando o Senhor voltará, temos que sempre viver fielmente. A natureza imprevista da volta do Senhor significa que é impossível olhar em volta buscando sinais, numa tentativa de calcular uma data aproximada. Ninguém tem qualquer ideia de quando o Senhor pode voltar. Ele pode voltar antes que você termine de ler isto; ou poderiam se passar outros 2000 anos a partir de hoje. Que possamos estar sempre prontos!
Como?
"Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor" (1 Tessalonicenses 4:16-17). Quando Jesus retornar, todos saberão. A ideia de uma volta secreta do Senhor para, em silêncio, carregar uns poucos, é desconhecida nas Escrituras. A voz do arcanjo e o som da trombeta, com certeza, não são sinais silenciosos e secretos.
O Quê?
Já vimos que os mortos ressurgirão quando Cristo voltar. Em João 5:28-29 Jesus disse que todos os mortos (os justos e os ímpios) ouvirão sua voz, ao mesmo tempo, para saírem de suas tumbas. 1 Coríntios 15:50-55 indica que aqueles que ainda estiverem vivos, no retorno de Cristo, serão transformados de modo que possam herdar o reino de Deus, com corpos glorificados e incorruptíveis.
Quando Cristo voltar, o mundo será destruído pelo fogo. "Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas cousas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus incendiados serão desfeitos e os elementos abrasados se derreterão" (2 Pedro 3:10-12). Muitos estão esperando que Cristo volte e fique na terra por muitos anos; mas isto será impossível, desde que a terra será destruída quando ele voltar.
Quando Cristo retornar, ele levará todos os homens para encontrá-lo no julgamento. Mateus 25:31-46 descreve o julgamento, minuciosamente. Aqui, Jesus disse que isso acontecerá quando ele voltar (v. 31). Paulo, também, falou do julgamento que acontecerá, na volta de Cristo. "E a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho do nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder, quando vier para ser glorificado nos seus santos, e ser admirado em todos os que creram, naquele dia (por quando foi crido entre vós o nosso testemunho)" (2 Tessalonicenses 1:7-10).
Quando Cristo voltar, ele devolverá o reino a Deus. "Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda. E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos seus pés. O último inimigo a ser destruído é a morte" (1 Coríntios 15:23-26). Cristo está reinando agora. Ele reinará até que o último inimigo seja destruído. Então ele devolverá o reino ao seu Pai. O último inimigo é a morte. Cristo destrói a morte pela ressurreição. Portanto, quando Cristo voltar e levantar todos os homens, ele estará destruindo o último inimigo e entregará, então, o reino ao Pai, para que ele reine eternamente.
Cristo voltará visível, em tempo inesperado e desconhecido. Quando ele voltar:
- Todos os mortos serão ressuscitados.
- Os viventes serão transformados.
- A terra será destruída.
- Todos os homens serão julgados.
- O reino será devolvido ao Pai.
Estes pontos são simples e claramente vistos nas passagens anotadas. O problema começa ao tentar reconciliar estes ensinamentos bíblicos básicos com as doutrinas produzidas pelos homens. As anotações seguintes examinam várias objeções freqüentemente levantadas contra estas claras verdades da Bíblia.
Objeções e Perguntas
E sobre o estabelecimento do reino de Cristo?
O Velho Testamento predisse a vinda do reino de Cristo. "Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés. O Senhor enviará de Sião o cetro do seu poder, dizendo: Domina entre os teus inimigos" (Salmo 110:1-2). É interessante que o Novo Testamento cita esta passagem muitas vezes e mostra que ela foi cumprida quando Cristo subiu de volta ao Pai. "Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis. Porque Davi não subiu aos céus, mas ele mesmo declara: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés. Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo" (Atos 2:33-36). Deus já instalou Cristo como rei. Estude também Mateus 28:18; Efésios 1:20-23; e Apocalipse 19:16. Os cristãos já estão no reino de Cristo. "Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor" (Colossenses 1:13). "E nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém. . . . Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em Jesus. . ." (Apocalipse 1:6,9). Frequentemente, Apocalipse 20 é citado para tentar provar um futuro reino de Cristo, de 1000 anos, aqui na terra. Mas, de acordo com o contexto de Apocalipse 20, são os mártires descritos em 6:9-11 que estão ressuscitados, para sentarem-se em tronos e reinarem com Cristo no céu. Apocalipse 20 não discute um reino com Cristo fisicamente presente na terra. Às vezes, algumas pessoas argumentam que Cristo não pode estar reinando sobre a terra agora, porque muitas pessoas o desobedecem. Mas a desobediência não é prova de que Cristo não está reinando. Um rei pode reinar sobre um reino físico na terra e, entretanto, alguns podem desobedecê-lo. No fim, Cristo punirá a desobediência (estude a parábola em Mateus 13:24-30,36-43). Jesus nunca teve a intenção de estabelecer o tipo de reino material que alguns pensam que vai acontecer (João 18:36).
E sobre as promessas de Deus aos judeus?
Deus prometeu dar a Abraão e seus descendentes, os judeus, a terra de Canaã. Ele cumpriu essa promessa completamente (Josué 21:43-45; Neemias 9:7-8). Se os judeus conservariam essa terra ou não, isso dependeria de sua fidelidade ao Senhor (Deuteronômio 28:58,63). Por causa de sua infidelidade os judeus perderam seu direito à terra prometida.
Deus também prometeu abençoar os judeus e todas as nações com a vinda de Cristo. As bênçãos espirituais em Cristo não foram destinadas a todos com sangue de Abraão em suas veias, mas àqueles que compartilham a fé de Abraão (Romanos 2:28-29; 4:16-17; 9:6-8; 11:1-5; Gálatas 3:6-9). O Velho Testamento tinha predito claramente que os gentios fiéis também seriam trazidos para partilhar igualmente as bênçãos dos judeus fiéis (Gênesis 12:3; Isaías 2:1-4; 11:10-12; Zacarias 8:23). Paulo disse que atualmente: "Não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" (Gálatas 3:28).
Muitas das promessas dos profetas do Velho Testamento são mal entendidas e, portanto, mal aplicadas a algum tipo de reino material de Cristo na terra. Muitas das profecias do Velho Testamento descrevem o reino de Cristo em um tempo de paz e prosperidade. Há pessoas que compreendem mal e imaginam que elas estão falando de uma paz e uma fartura material; mas não estão. Estas profecias do Velho Testamento têm que ser espiritualmente entendidas. Passagens como Isaías 11:1-10 e Amós 9:11-15, que são frequentemente aplicadas a algum futuro reino material de Cristo, são ditas por escritores do Novo Testamento como tendo sido cumpridas espiritualmente no reino de Cristo agora (Romanos 15:12; Atos 15:13-18). É muito importante que permitamos que a revelação que Deus fez no Novo Testamento tenha prioridade na explicação do que ele pretendia nas profecias do Velho Testamento.
E sobre os sinais dos tempos?
Em contraste com o ensinamento de Jesus em Mateus 24:37-44, que o tempo de sua volta seria um período comum, sem sinais especiais, há muitos que ensinam hoje em dia que podemos saber que a volta de Jesus está próxima se olharmos para os sinais dos tempos. Este ponto de vista está baseado num mau entendimento de "E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; porém tudo isto é o princípio das dores" (Mateus 24:6-8). Observe o assunto desta passagem. Em Mateus 24:1-2, Jesus falou sobre a destruição do templo e de Jerusalém, o que ocorreu 40 anos mais tarde, em 70 d.C. Os discípulos no versículo 3, perguntaram quando estas coisas aconteceriam e também sobre sua última volta. Jesus, primeiro, respondeu à pergunta sobre a destruição de Jerusalém. Ele advertiu, nos versículos 4-14, que muitas coisas aconteceriam, mas que não ficassem alarmados. Estes não seriam ainda os sinais do fim de Jerusalém. Então, ele lhes contou o que o sinal realmente seria, no versículo 15, e advertiu-os para que fugissem quando o vissem. No versículo 34 Jesus disse: "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça"(Mateus 24:34). Tudo, até o versículo 34 deste capítulo, tinha que acontecer antes que aquela geração terminasse. Muitas pessoas olham para achar os sinais da volta de Cristo neste trecho do capítulo que está falando sobre a destruição de Jerusalém, e até mesmo no trecho que mostra as coisas que não foram sinais desta destruição. Quando as pessoas citam os acontecimentos de Mateus 24:6-8 como sinais da volta do Senhor, elas ignoram o contexto. É no versículo 35 que Jesus começa a falar sobre sua segunda volta, e não antes.
E sobre as duas ressurreições?
A Bíblia ensina que todos os mortos ressurgirão ao mesmo tempo. "Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo" (João 5:28-29). Veja também Atos 24:15. De fato, aprendemos em João que a ressurreição e o julgamento ocorrerão no mesmo dia (João 6:54; 12:48) Algumas pessoas tentam provar que haverá duas ressurreições da matéria, citando Apocalipse 20. Mas esta passagem não trata de ressurreições da matéria. O assunto central do Apocalipse é a pergunta de 6:10. Neste versículo, as almas daqueles decapitados por amor de Cristo estão em baixo do altar do céu, perguntando por quanto tempo ainda esperariam até que fossem vingados e quando aqueles que os mataram seriam julgados. É dito a eles que esperem um pouco mais. Quando o livro se abre, vemos o julgamento de Deus sobre aqueles que mataram os primeiros cristãos. Finalmente, no capítulo 20, vemos esses mártires sendo levantados e saindo debaixo do altar do céu, para se assentarem nos tronos da vitória. Esta ressurreição não tem nada a ver com a ressurreição de nossos corpos da cova, mas é uma ressurreição das almas no céu. As passagens que tratam da ressurreição dos corpos mortos da terra (João 5:28-29, etc.) ensinam claramente que todos serão ressuscitados ao mesmo tempo.
E sobre a grande tribulação?
Está na moda ensinar que Jesus voltará secretamente e arrebatará seus fiéis, e que o mundo então passará por um período de 7 anos de sofrimentos. A ideia desse período de 7 anos de tribulação, quando o Senhor voltar, não é nem sequer sugerido na Bíblia, muito menos ensinado. A Bíblia certamente ensina que os cristãos sofrerão tribulação (João 16:33; Atos 14:22; 2 Timóteo 3:12). E há períodos de tribulação ainda maior, tal como o que ocorreu quando Jerusalém foi destruída (Mateus 24:21) ou como aquele que as igrejas do Apocalipse sofreram (Apocalipse 1:9; 2:9-10; 7:14). Mas nenhuma passagem da Bíblia menciona um período especial de 7 anos de tribulações na volta de Cristo.
E sobre o anticristo?
A palavra anticristo é mencionada em 3 capítulos da Bíblia: "Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos anticristos têm surgido, pelo que conhecemos que é a última hora. Eles saíram de nosso meio; entretanto não eram dos nossos; porque se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos. . . . Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho"(1 João 2:18-19,22). "E todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem, e presentemente já está no mundo" (1 João 4:3). "Porque muitos enganadores têm saído pelo mundo fora, os quais não confessam Jesus Cristo vindo em carne; assim é o enganador e o anticristo" (2 João 7). A ideia moderna do anticristo é a de um futuro líder político, que se levantará dentre os incrédulos para se empenhar em um conflito militar contra Cristo. Mas estes textos bíblicos falam de muitos, não de um só. Eles falam de anticristos que estavam presentes, não de futuros. Eles dizem que eles se levantam dentre os cristãos, não dentre os incrédulos. As escrituras mostram que os anticristos são falsos mestres, e não líderes políticos. E falam de um conflito espiritual, e não militar, contra Cristo. É notável que uma ideia, tão completamente oposta ao que as Escrituras ensinam, possa ter sido tão largamente aceita.
Em qualquer estudo sério da Bíblia, temos que deixar as ideias humanas e as especulações de lado e voltar a um exame cuidadoso das Escrituras em contexto. Quando fazemos assim, o ensinamento sobre a volta de Cristo fica bem claro.
Por: Gary Fisher

quinta-feira, 11 de julho de 2013

4° Aparição - VÓS VEREIS ESTA CRUZ POR MAIS TRÊS VEZES

Aparições de Dozulé


Terça-feira - 19 de Dezembro de 1972
4:35 hs da manhã - Haute Butte

Madalena Aumont:
A maravilhosa Cruz apareceu-me de novo, e eu ouvi:
"Vós vereis esta Cruz por mais três vezes."

terça-feira, 9 de julho de 2013

VIVER AQUI NA TERRA O "Caminho do Céu"



Logo pela manhã, ao despertar, fui "ouvindo" no coração a Mensagem do dia. Não ouço todos dias, mas hoje pude ouvir. Mas eu não podia parar para escrever tudo porque estava me aprontando para ir a Missa, então peguei uma caneta e papel e anotei a frase que sintetizou tudo:
"Toda Alma precisa saber qual o meio que ela tem para viver aqui na Terra o "Caminho do Céu" .
Eu reconheço que na Igreja Católica nós aprendemos a viver aqui na Terra o Caminho do Céu, mas reconheço também que esta verdade não pode ser imposta e, para que uma Alma saiba disso, ela muitas vezes precisa de ajuda, principalmente ajuda espiritual. Por isso é importante dedicarmos nossos momentos para orar pelos que não conhecem o Caminho de Cristo na Igreja e por aqueles que se afastaram deste Caminho Santo.



Então, na Missa deste domingo, na primeira leitura do dia , lemos que:
Leitura do Primeiro Livro dos Reis:
Naqueles dias, Salomão rezou no Templo, dizendo: 41“Senhor, pode acontecer que até um estrangeiro que não pertence a teu povo, Israel, escute falar de teu grande nome, de tua mão poderosa e do poder de teu braço. Se, por esse motivo, ele vier de uma terra distante, para rezar neste templo, Senhor, escuta então do céu onde moras e atende a todos os pedidos desse estrangeiro, pra que todos os povos da terra conheçam o teu nome e o respeitem, como faz o teu povo Israel, e para que saibam que o teu nome é invocado neste templo que eu construí”.
Que lindo, não? 
Oro que o Senhor atenta e socorra a todos os que suplicam graças a Nossa Mãe Maria, que cada um possa experimentar em suas vidas a eficácia desse Caminho, Verdade e Vida que a Igreja nos apresenta! E a todos aqueles que se aproximam de uma Igreja, mesmo vazia, com pedidos e súplicas, sejam atendidos e socorridos em suas angústias e misérias.

SALMO DO DIA, OUÇA AQUI:
Aproveito para colocar também aqui, o Evangelho do Dia, lido e meditado em todas as Igrejas do Planeta Terra:
Evangelho (Lc 7,1-10)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum. Havia lá um oficial romano que tinha um empregado a quem estimava muito, e que estava doente, à beira da morte.
O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus, para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado.
Chegando onde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças este favor, porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”. Então Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente ao teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado: ‘Faze isto’!, ele o faz”.
Ouvindo isso, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia, e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”.
Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.
Que esta mensagem de FÉ possa preencher todos os cantos escuros de nossa vida com a LUZ DE CRISTO e que possamos levar essa FÉ a todos que encontrarmos de forma amorosa e paciente, entendendo que o tempo de DEUS é diferente do tempo dos homens e que a VITÓRIA está garantida!

DESEJO À VOCÊ


Que… “Chuvas de Bênçãos sejam derramadas abundantemente sobre ti e tua Casa“… Que… a Unção de DEUS seja como um bálsamo a envolver tua vida e te Ungir Completamente pela Glória de DEUS“… Que… “DEUS faça prosperar tudo aquilo que vier até tuas mãos, e que de uma semente cresçam milhares de árvores Frutíferas“… Que… “Todas as Promessas de DEUS sejam uma Coroa de Vitória e Vida para você como Prova da Fidelidade do teu DEUS, acerca de tudo o que Ele Fala e Cumpre“… Que… “Rios de águas Vivas corram dentro de tí, purificando, e levando tudo aquilo o que não é de DEUS“. Que…“A Glória de DEUS repouse sobre sua vida…Amém