Páginas

MENU

Menu Deslizante

PAI NOSSO

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU, SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME, VEM A NÓS O VOSSO REINO, SEJA FEITA A VOSSA VONTADE ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU. O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAÍ HOJE, PERDOAI-NOS AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO, NÃO NOS DEIXEI CAIR EM TENTAÇÃO MAS LIVRAI-NOS DO MAL. AMÉM.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

NOS BASTIDORES: como viviam os pastorinhos fora das aparições?

O que as pessoas achavam deles?

Num dia muito especial, a festa de Santo Antônio, aconteceu a segunda visita da Virgem Maria em Fátima. Neste momento, a primeira aparição já havia se espalhado por Portugal e muitas pessoas procuravam os pastorinhos para pedirem orações, esclarecimentos e até mesmo ouvir previsões. Outros, no entanto, não acreditavam nas crianças, incluindo a mãe e as irmãs de Lúcia, que juntamente com os céticos, hostilizavam a pequena pastorinha.

Thomas Walsh, em seu célebre livro Nossa Senhora de Fátima, baseado nos próprios relatos de Lúcia, em 1947, trata fatos interessantes sobre a vida das pequenas crianças fora das aparições.
Esse é o relato dos momentos que antecederam a segunda aparição de Maria Santíssima, no dia 13/06/1917:
“Festa de Santo Antônio. Os pastorinhos de Aljustrel levaram o rebanho para o pasto muito mais cedo do que costumavam. Lá pelas 9 horas estariam de volta, a fim de chegarem a tempo para a missa cantada das dez. Antes mesmo que o sol começasse a tingir o céu lá pelo lado do poente, já as ovelhinhas estavam para fora do aprisco. Lúcia tinha já, talvez, atingido a charneca, mordiscando o pão preto – os pastorinhos de manhã comiam assim, sem se sentarem a mesa – quando seu irmão Antônio lhe corre no encalço. Havia gente em casa à procura dela.

Confiou o rebanho ao irmão e apressou-se em voltar. Encontrou a casa cheia de gente,. Homens e mulheres, procedentes de diversos lugares [...] a história da aparição de maio já correra pelas montanhas. Muitos acreditavam nela. Outros eram apenas curiosos.

Um bom número levantara-se cedo para acompanhar as crianças, montanha acima, até a Cova da Iria. Lúcia estava contrariada. Disse, entretanto, aos visitantes que, se quisessem acompanhá-la, teriam de esperar a sua volta da Missa.

E partiu para Fátima. Esperaram, pacientes, mais de duas horas junto à figueira, perto da casa. Naturalmente, a presença de toda essa gente desagradou Maria Rosa (mãe de Lúcia) e as filhas mais velhas. Comentários mordazes e palavras ásperas foram lançados como invectivas contra esse povo em geral e contra essa folia das crianças, em particular. Os peregrinos não desanimaram. Esperaram tranquilamente passeando, rindo e conversando, despreocupados, até Lúcia voltar da Missa.

A caminho do local das Aparições
Seriam aproximadamente 11 horas quando a menina, finalmente, saiu de casa, ladeada dessa gente estranha. ‘Sentia-me amargurada nesse dia’, recordou Lúcia posteriormente: ‘o desprezo de minha irmã e a animosidade de minha mãe cortavam-me o coração.

Lembrava-me do tempos passados e perguntava a mim mesma onde estava afeição que minha família me devotava, não havia muito tempo. E agora ser assim, seguida por toda essa gente desconhecida a me assediar de perguntas’.

Começou a chorar ao longo do caminho. Trazia ainda os olhos marejados de lágrimas ao chegar a casa dos Martos (Jacinta e Francisco).

‘Não chores’, disse Jacinta ao percebe-lhe os olhos úmidos e o tremor comovido dos lábios. ‘Certamente são estes os sacrifícios que o Anjo disse que Deus nos mandaria. É por isso que sofres: em reparação e para converteres os pecadores!’. 

Lúcia enxugou as lágrimas. Seguidos do povo, dirigiram-se apressadamente pela estrada a fora e lá se foram os três, galgando as montanhas, atravessando as campinas, durante cerca de meia hora. Na Cova da Iria, já outro grupo esperava por eles. Eram curiosos e devotos procedentes das choupanas próximas e de lugares distantes [...] cinquenta pessoas ao todo.”

Rezaram um terço juntos quando iam começar a Ladainha de Nossa Senhora os pastorinhas viram um forte relâmpago e correram para debaixo da Azinheira. Os ali presentes cercaram-lhe e então se deu a segunda aparição de Nossa Senhora de Fátima.













DESEJO À VOCÊ


Que… “Chuvas de Bênçãos sejam derramadas abundantemente sobre ti e tua Casa“… Que… a Unção de DEUS seja como um bálsamo a envolver tua vida e te Ungir Completamente pela Glória de DEUS“… Que… “DEUS faça prosperar tudo aquilo que vier até tuas mãos, e que de uma semente cresçam milhares de árvores Frutíferas“… Que… “Todas as Promessas de DEUS sejam uma Coroa de Vitória e Vida para você como Prova da Fidelidade do teu DEUS, acerca de tudo o que Ele Fala e Cumpre“… Que… “Rios de águas Vivas corram dentro de tí, purificando, e levando tudo aquilo o que não é de DEUS“. Que…“A Glória de DEUS repouse sobre sua vida…Amém