Páginas

MENU

Menu Deslizante

PAI NOSSO

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU, SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME, VEM A NÓS O VOSSO REINO, SEJA FEITA A VOSSA VONTADE ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU. O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAÍ HOJE, PERDOAI-NOS AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO, NÃO NOS DEIXEI CAIR EM TENTAÇÃO MAS LIVRAI-NOS DO MAL. AMÉM.

terça-feira, 23 de maio de 2017

TOMAS DE AQUINO E A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO: CONSIDERAÇÕES FINAIS

Tomás de Aquino
Ao longo do artigo foram apresentados, de forma sucinta, os pontos que aproximam e que distanciam Tomás de Aquino da Teologia da Libertação. E apesar de encontrarmos pontos comuns entre ambos, os pontos divergentes superam qualquer aproximação teórica.
Ao longo de sua história a TL demonstrou grande espírito de rebelião contra o evangelho, o magistério e a autoridade da Igreja. Sobre essa questão o Papa Bento XVI, em pronunciamento aos bispos do regional Sul 3 e 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), afirmou que “as sequelas [deixadas pela TL], mais ou menos visíveis, feitas de rebelião, divisão, dissenso, ofensa, anarquia fazem-se sentir ainda, criando nas vossas comunidades diocesanas grande sofrimento e grave perda de forças vivas” ([53]).
Em grande medida a TL deseja refundar a Igreja. E essa refundação é contrária à tradição e ao magistério católico. No tocante à filosofia abraçada pela Igreja, representada de forma oficial pela obra de Tomás de Aquino, a TL sempre afirmou tratar-se de um pensamento preso à Idade Média e, portanto, superado. O novo pensamento, revolucionário e até mesmo violento, é representado por Karl Marx e pelo marxismo. Por isso, é preciso deixar claro que existe uma grande separação entre Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação.
Infelizmente é preciso afirmar que ou se é católico e estuda-se a obra de Tomás de Aquino ou então se é marxista e seguidor da Teologia da Libertação. Em grande medida, a advertência da Sagrada Congregação do Santo Ofício, em 1949, que atualmente é a Congregação para a Doutrina da Fé, sobre os cristãos que seguem o marxismo, ainda é extremamente atual. Essa advertência diz: “mantenha distância do marxismo” ([54]).
Com relação à Teologia da Libertação é preciso visualizar, constantemente, a sensata advertência que a Congregação para a Doutrina da Fé realiza sobre a dimensão da libertação na perspectiva cristã, ou seja, “sobre as duas dimensões constitutivas da libertação na sua concepção cristã: quer no nível da reflexão quer na sua práxis, a libertação é, antes de tudo, soteriológica (um aspecto da Salvação realizada por Jesus Cristo, Filho de Deus) e depois, ético-social (ou ético-político). Reduzir uma dimensão à outra, suprimindo-as praticamente a ambas, ou antepor à segunda à primeira, é subverter e desnaturar a verdadeira libertação cristã” ([55]).
Por fim, afirma-se que Tomás de Aquino é um pensador extremamente atual. Sua obra contém uma profunda reflexão sobre os diversos problemas e opressões vividas pelo homem. Se a Igreja e a sociedade contemporânea desejam promover a libertação da opressão, da forma como é indicada pela Teologia da Libertação, é preciso conhecer e refletir sobre a obra do Aquinate.

Referências

[1] Doutor em estudos da linguagem pela UFRN, professor do departamento de filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERN. E-mail: ivanaldosantos@yahoo.com.br.

[2] Com relação à inspiração marxista da Teologia da Libertação recomenda-se consultar: BOFF, Leonardo. O que é a teologia da libertação? Entrevista à Radiobras, 01/12/2003, FREI BETTO. Marxismo na teologia. IN: Jornal do Brasil, 06/04/1980, LÖWY, Michael. Marxismo e teologia da libertação. São Paulo: Cortez, 1991, LÖWY, Michael. A Teologia da Libertação: Leonardo Boff e Frei Beto. IN: ADITAL. Disponível em http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=35648.    Acessado em 12/04/2010, FREI BETTO. Cristianismo e Marxismo. Petrópolis: Vozes, 1986.

[3] BOFF, Leonardo; BOFF, Clodovis. Cinco observações de fundo à interpretação do Cardeal Ratzinger acerca da Teologia da Libertação de corte marxista. IN: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 44, fasc. 173, março de 1984, p. 119.  

[4] Seria quase impossível apresentar a totalidade dos livros e artigos produzidos pelos teóricos da TL sobre a pobreza e a libertação. Por causa disse fato recomenda-se consultar apenas os seguintes textos: BOFF, Leonardo. O caminhar da Igreja com os oprimidos. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1988, BOFF, Leonardo. A teologia da libertação. Balanço e Perspectivas. São Paulo: Ática, 1996, ALVES, R.. O suspiro dos oprimidos. São Paulo: Paulinas, 1984, BOFF, L. A fé na periferia do mundo. Petrópolis: Vozes, 1986, BOFF, L. Jesus Cristo libertador. Petrópolis: Vozes, 1991. BOFF, C. Teologia e Prática. Petrópolis: Vozes, 1978. BOFF, L. Teologia do cativeiro e da libertação. Petrópolis: Vozes, 1980, BONHOEFER, D. Resistência e submissão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1963, DUSSEL, E. Para uma ética da libertação latino-americana: política. Tomo IV. Loyola: São Paulo, 1977, DUSSEL, E. Para uma ética da libertação latino-americana: uma filosofia da religião anti-fetichista. Tomo V. Loyola: São Paulo, 1977, LIBÂNEO, J. B. Pecado e opção fundamental. Petrópolis: Vozes, 1975, LIBÂNEO, J. B. Teologia da libertação: roteiro didático para um estudo. São Paulo: Loyola, 1987.     

[5] “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho diferente do que foi anunciado, seja excomungado” (Gálatas, 1, 8).

[6] CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução sobre alguns aspectos da “Teologia da Libertação”. São Paulo: Paulinas, 1989. (Coleção Documentos Pontifícios).

[7] CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução sobre alguns aspectos da “Teologia da Libertação”, op, cit,  X, 9.

[8] CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO. São Paulo: Loyola, 2008, Canon 252, 3.

[9] SOBRE A FORMAÇÃO SACERDOTAL. Vaticano, 28 de Outubro de 1965, n. 16. Disponível em http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decree_19651028_optatam-totius_po.html.  Acessado em 12/04/2010.

[10] SOBRE A EDUCAÇÃO CRISTÃ. Vaticano, 28 de Outubro de 1965, n. 10. Disponível em http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decl_19651028_gravissimum-educationis_po.html. Acessado em 12/04/2010.

[11] CÂMERA, Dom Hélder. O que faria Santo Tomás de Aquino diante de Karl Marx. In: O Globo, 10/12/1975.

[12] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 41, fasc. 163, setembro de 1981, p. 441.

[13] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 429.

[14] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 439.

[15] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 435. 

[16] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 425.

[17]  BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 431.

[18] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 432.

[19] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 428.

[20] BOFF, Clodovis. Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, op, cit, p. 433.

[21] AQUINO, Tomás de. De regimine principum. Turim: Obra Cristiana, 1983, I, I, Capítulo 1.

[22] CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução sobre alguns aspectos da “Teologia da Libertação”, op, cit,  IX, 10.

[23] AQUINO, Tomás de. Suma teológica. São Paulo: Loyola, 2005, I questão 96, I-II questão 94.

[24] BOFF, Clodovis. O pecado social. In: Revista Eclesiástica Brasileira, v. 37, n. 148, 1977. HOFSTÄTTER, L. O. A concepção do pecado na teologia da libertação. São Leopoldo. Nova Harmonia, 2003, p. 130.

[25] CORREIA, Francisco de Assis. Por uma sabedoria (filosofia) da libertação. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 41, fasc. 163, setembro de 1981, p. 564.

[26] HIRSCHBERGER, Johannes. História da filosofia contemporânea. São Paulo: Herder, 1963, p. 127.

[27] BOFF, Leonardo; BOFF, Clodovis. Cinco observações de fundo à interpretação do Cardeal Ratzinger acerca da Teologia da Libertação de corte marxista, op, cit, p. 116.

[28] RATZINGER, Cardeal Joseph. Eu vos explico a teologia da libertação. IN: Revista Pergunte e Responderemos, Ano XXV, n. 277, 1984.

[29] CAMPOS, Fernando Arruda. Realismo tomista e realismo marxista. In: Revista Brasileira de Filosofia, julho-dezembro, 1980, p. 297-305.

[30] CAMPOS, Fernando Arruda. O tomismo no diálogo com o marxismo a respeito do problema de Deus. In: Revista Brasileira de Filosofia, outubro-dezembro, 1976, p. 411-426.

[31] CORREIA, Alexandre. O tomismo é incompatível com o marxismo. Rio de Janeiro: Colégio Pedro II, 1976, p. 29.

[32] ROSSI, Cardeal Agnelo. Verdades, erros e perigos da teologia da libertação. In: AQUINO, Felipe. A teologia da libertação. 2 ed. Lorena: Cléofas, 2003, p. 96.

[33] SARANYANA, José Ignacio. El marxismo ante el límite de la muerte. In: Anuario Filosofico, XIV/1, (1981), p. 101-112.

[34] LÖWY, Michael. Marxismo e teologia da libertação, op, cit, p. 27.

[35] VAN ACKER, Leonardo. O Tomismo e o pensamento contemporâneo. São Paulo: EDUSP, 1983, p. 46.

[36] REALE, Giovanni, ANTISERI, Dario. História da filosofia. Vol. III. São Paulo: Paulus, 1991, p. 765.

[37] VAN ACKER, Leonardo. O Tomismo e o pensamento contemporâneo, op, cit, p. 49.

[38] CORREIA, Alexandre. O tomismo é incompatível com o marxismo, op, cit, p. 28.

[39] Com relação à lei natural no pensamento de Tomás de Aquino recomenda-se consultar: ŠILAR, Mario. Natural Law, Theoretical and Practical Reason. In: Aquinate, nº. 5, (2007), 139-146. PÊCEGO, Daniel Nunes. Anotações sobre os requisitos fundamentais da lei segundo Santo Tomás de Aquino. In: Aquinate, n°. 9, (2009), 127-146.

[40] CORREIA, Alexandre. O tomismo é incompatível com o marxismo, op, cit, p. 29.

[41] Com relação à propriedade privada no pensamento de Tomás de Aquino recomenda-se consultar: PÊCEGO, Daniel Nunes. A propriedade e sua função social sob a perspectiva do Realismo Jurídico Clássico: aproximações com base na doutrina de Santo Tomás de Aquino. In: Aquinate, n°. 11, (2010), 55-72.

[42] CORREIA, Alexandre. O tomismo é incompatível com o marxismo, op, cit, p. 30-33.

[43] Com relação ao bem comum em Tomás de Aquino recomenda-se consultar: MARTINS FILHO, Ives Gandra. O princípio ético do bem comum e a concepção jurídica do interesse público. In: Aquinate, n°. 2, (2006), 58-75.

[44] AQUINO, Felipe. A teologia da libertação, op, cit, p. 111.

[45] TRUJILLO, Alfonso Card. López. O pensamento de Sto. Tomás ante os novos desafios da família e da vida. In: Aquinate, n°. 8, (2009), 97-111.

[46] CORREIA, Alexandre. O tomismo é incompatível com o marxismo, op, cit, p. 33-35.

[47] É preciso deixar claro que Clodovis Boff é o mesmo estudioso que escreveu o artigo Santo Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação (Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 41, fasc. 163, setembro de 1981, p. 426-442), o qual foi analisado na presente discussão.

[48] BOFF, Clodovis. Teologia da Libertação e a volta ao fundamento. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 67, fasc. 268, 2007, p. 1001-1022.

[49] BOFF, Leonardo. Pelos pobres contra a estreiteza do método. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 68, fasc. 271, 2008, p. 701-710.

[50] COMBLIN, José. As estranhas acusações de Clodovis Boff. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 69, fasc. 273, 2009, p. 196-202.

[51] AQUINO JÚNIOR, Francisco de. Clodovis Boff e o método da TdL. Uma aproximação crítica. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 68, fasc. 271, 2008, p. 597-613. AQUINO JÚNIOR, Francisco de. A teologia como "intellectus amoris". A propósito da crítica de Clodovis Boff a Jon Sobrino. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 69, fasc. 274, 2009.

[52] SUSIN, Luiz Carlos; HAMMES, Érico João. A Teologia da Libertação e a questão de seus fundamentos: em debate com Clodovis Boff. In: Revista Eclesiástica Brasileira, vol. 68, fasc. 270, 2008, p. 277-299.

[53] PAPA BENTO XVI. Ad Limina Apostolorum aos bispos do Brasil (regional Sul 3 e 4). Vaticano, 5 de dezembro de 2009. Disponível em http://beinbetter.wordpress.com/2009/12/06/papa-condena-novamente-teologia-da-libertacao/. Acessado em 12/04/2010.

[54] DECRETO DE LA SAGRADA CONGREGACIÓN DEL SANTO OFICIO. Decretum contra communismum. IN: Hemeroteca Digital. Disponível em http://hemeroteca. abc.es/nav/ Navigate. exe/hemeroteca/ madrid/abc/ 1949/07/15/ 011.html. Acessado em 12/04/2010.

[55] CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ. Instrução Libertatis conscientia. AAS 79, 1987, n. 23 e 71.

Por: Ivanaldo Santos
Fonte: SANTOS, Ivanaldo. Tomás de Aquino e a Teologia da Libertação: aproximações e impossibilidades. In: Coletânea, Rio de Janeiro, ano X, Fasc. 20, jul./dez. 2011, p. 249-266. ISSN: 1677-7883.
Fonte: Gonet








DESEJO À VOCÊ


Que… “Chuvas de Bênçãos sejam derramadas abundantemente sobre ti e tua Casa“… Que… a Unção de DEUS seja como um bálsamo a envolver tua vida e te Ungir Completamente pela Glória de DEUS“… Que… “DEUS faça prosperar tudo aquilo que vier até tuas mãos, e que de uma semente cresçam milhares de árvores Frutíferas“… Que… “Todas as Promessas de DEUS sejam uma Coroa de Vitória e Vida para você como Prova da Fidelidade do teu DEUS, acerca de tudo o que Ele Fala e Cumpre“… Que… “Rios de águas Vivas corram dentro de tí, purificando, e levando tudo aquilo o que não é de DEUS“. Que…“A Glória de DEUS repouse sobre sua vida…Amém